segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Por que ocupamos escolas e porque a maioria é no Parana?

POR QUE OCUPAR ESCOLAS?
Por mais que não pareça é algo bem simples, não é tão fácil ter visibilidade para a luta sem que se pare algo público. Os professores fazem greve e são ouvidos, os bancários fazem greve e são ouvidos, nós estudantes não fazemos greve, nós ocupamos escolas! Somente dessa forma a gente consegue chamar atenção e ter visibilidade.

MAS QUAL A PAUTA DE VOCÊS?
O governo federal decidiu de forma muito autoritária, sem consultar ninguém, alterar a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, graças a uma medida provisória que pode dar fim a educação pública e que vai no sentido contrário às reforças que buscamos para que a escola pública tenha qualidade.

A MP 746/2016, altera os pontos principais da escola pública como contratação de professores, ensino integral obrigatório, mudança radical na dinâmica da escola pública e tudo isso sem antes, resolver os problemas mais urgentes de toda a rede como a falta de merenda, professores e livros, enquanto sobram estudantes nas salas de aula superlotadas, sobram obras inacabadas, sobram prédios tombados pelo patrimônio que não podem ser reformados.

Além disso, junto com a tal reforma, Michel Temer ainda apresenta a PEC 241. Para você que não sabe, a Emenda Constitucional que esta sendo discutida e já foi aprovada na Câmara de Deputados em Brasília visa CONGELAR por 20 ANOS os investimentos em saúde, educação e os aumentos em todo o setor público.  Logo, desde a verba da nossa escola até o salários de nossos país não vão subir pelos próximos 20 anos, isso significa que quem mais precisa esta pagando pela crise, e quem já tem uma vida melhor não sofre com nada!

MAS E NO PARANÁ, PORQUE 90% DAS OCUPAÇÕES SÃO AQUI?
Essa é uma resposta ainda mais fácil, a PEC 241 e a MP 746 do governo federal só vieram somar as centenas de dificuldades impostas na educação do Paraná. Aqui no estado, existem diversas escolas sem qualquer condição de ensino, as bibliotecas só têm livros de 10 anos atrás, salas de aula chegam a ter 50 estudantes em um espaço apertado.

Não há nenhum projeto que incentive a cultura e o esporte, operações policiais provam que quando teve dinheiro para reformar as escolas esse dinheiro foi desviado para campanhas eleitorais, não há caso concreto de passe livre para estudantes no transporte público, as escolas parecem verdadeiros presídios onde estudantes ficam atrás de grades e cadeados em nome da "nossa segurança?".

Paralelo a tudo isso, temos professores que dão aula sem condições alguma de trabalho, sem receber salário, sem hora atividade. A lei do Grêmio Livre aqui é como se não existisse, o grêmio só é livre se concordar com tudo que os diretores querem e as eleições em muitas escolas acontecem sem que nem se possa passar em salas divulgando porque "a escola não tem tempo pra isso".

No Paraná as propostas nacionais só vêm pra engrossar um caldo que há muito tempo já nos deixa insatisfeitas.

E QUAL A PROPOSTA DE VOCÊS PARA ISSO?
Quanto às propostas nacionais não queremos NADA MENOS que a retirada integral delas, a PEC 241 pode ser substituída pela taxação das grandes fortunas, pela cobrança dos milhões de reais sonegados dos impostos e outras formas que façam com que as pessoas que tem mais dinheiro paguem a crise e não aqueles que já não tem quase nada!

A reforma do ensino médio que tanto falam que foi discutida não é essa proposta pelo Michel Temer e sim o documento aprovado na CONAE com dezenas de metas e objetivos para mudar a educação. Onde o Temer escondeu os documentos da CONAE? Ele resolveu decidir tudo isso sozinho?

No Paraná, o governador diz que não vai aceitar a reforma nacional, mas também não queremos que ele decida qual a reforma será feita aqui sozinho. Se ele quer mesmo ouvir os estudantes nós queremos que ele chame uma conferência estadual pela reforma do ensino médio, onde TODO ESTUDANTE poderá opinar e propor mudanças e só isso não nos basta, queremos que sejam presos os acusados da operação quadro negro, abafada pela mídia como sempre acontece. Queremos a efetivação da regra que delimita um teto de estudantes por sala de aula e também que o governador pare de dar calote nos nossos professores.

Se ainda restam dúvidas que temos motivos de sobra pra ocupar nossas escolas convidamos você a visitar escolas, principalmente em pequenas cidades, nas regiões periféricas para ver em que situação somos obrigados a estudar. Só assim tudo isso fará sentido!